Entenda as principais diferenças entre uma brigada de emergência e uma de incêndio

© Depositphotos.com / Kzenon Os treinamentos tanto da brigada de emergência quando a de incêndio são realizados pelo Corpo de Bombeiro Estadual.

Todas as empresas que possuem mais de 20 funcionários contratados são obrigadas a criar uma brigada de incêndio e uma de emergência para garantir a segurança imediata do local. Ambas as equipes são fundamentais para a qualidade do ambiente de trabalho e para a segurança dos colaboradores, mas possuem atividades distintas e complementares.

Para fazer parte de uma brigada de incêndio ou de emergência, o funcionário precisa ganhar uma eleição realizada dentro da organização, além de ter boas condições físicas e de saúde. Os eleitos receberão treinamento especializado e outros de reciclagem, garantindo um ano de estabilidade profissional por lei ou enquanto durar o compromisso com a brigada.

Os treinamentos de ambas as brigadas são realizados pelo Corpo de Bombeiros Estadual, sendo que a de incêndio é regulamentada e obrigatória por lei. Nela, empresas que se enquadram na NBR 14.276/2006 da ABNT devem formar sua equipe baseado em requisitos específicos.

Brigada de incêndio: o que é e qual a importância?

A brigada de incêndio atua na prevenção e no combate inicial de fogo, com foco em proteger a vida e o patrimônio do local, também prestando os primeiros socorros e resgates. Seu treinamento permite que a brigada impeça que esse tipo de acidente aconteça ou reduza as suas consequências.

Ao iniciar suas funções, as empresas precisam de um alvará de regularização obtido pelo Corpo de Bombeiros, que faz uma avaliação do ambiente da empresa e de sua documentação para conferir se ela atende a todos os requisitos de segurança — o que inclui a presença de um engenheiro que possa ser responsável pela sua estrutura, mesmo que ele não faça parte do seu corpo de funcionários.

Também será avaliada a quantidade necessária de extintores de incêndio, sua localização e se estão dentro da validade, além da presença de saídas de emergência sem bloqueios, sinalizações de segurança e iluminações de emergência, corrimões, alarmes sonoros de incêndio, chuveiros automáticos que detectam fumaça, entre outros itens que podem variar de acordo com a dimensão da empresa e dos materiais presentes nela.

Após todas as documentações regulamentas, a empresa deve criar a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA), um subsistema do recursos humanos que cuida da Segurança e Medicina do Trabalho e da qual fazem parte os integrantes da brigada de incêndio.

Qual a função da brigada de emergência?

O integrante de uma brigada de emergência exerce funções semelhantes aos participantes da brigada de incêndio, mas com foco em situações mais perigosas — como salvamentos, primeiros socorros, combate a acidentes ambientais e emergências químicas.

Uma de suas atuações consiste em analisar os riscos do local e realizar evacuações emergenciais em casos críticos. Seu treinamento é mais rigoroso que o da brigada de incêndio já que, além de receber informações sobre combate a incêndios, o integrante também aprende a lidar com casos de contaminações e vazamentos de produtos químicos e tóxicos.

Para apoio da brigada de emergência, as empresas devem fornecer materiais de primeiros socorros como macas, kits, tubos de oxigênio e máscaras, além de Equipamentos de Proteção Individual.